Essa e Outras Primaveras

36) Essa e Outras Primaveras (Quando as Nuvens Dançam – Reflexões de Quarta-Feira)

Certa vez, em Madri, estávamos passeando por um parque no centro da cidade. Andávamos de mãos dadas, o sol sorria e as flores se abriam em sequência. As árvores dançavam e a água jorrava da fonte do anjo caído. Nós também havíamos perdido nossas asas e buscávamos por elas, tentando ser aquilo que queríamos ver refletido nos olhos do outro. O verde aceso da grama e das copas ondulantes das estátuas que se erguiam da terra, com suas folhas cheias de olhos, testemunhas silenciosas de nós, tudo brilhava intensamente, como a superfície do lago que nos chamava na distância. Não sabíamos caminhar no amor, então meio que flutuávamos, impulsionados pela religiosidade atônita de quem percebe a imensidão. Deixar a terra firme era tão óbvio naqueles tempos e, logo, estávamos em uma canoa e ele remava para mim, como homem pleno, possuído pela existência, disposto a me levar com ele aonde quer que fosse.

Por quanto tempo navegamos não sei. A fluidez das coisas que mudam exigia um navegar constante que desbravávamos avidamente, mais em dança do que em saber, e não importava qual fosse o veículo, o importante era deixar-nos levar. Às vezes, em meio ao reluzir dos raios de sol sobre a água, que criavam jogos de sombras no rosto dele, eu me perguntava se era isso cair, e se a queda era inseparável da ascensão. A resposta era tão certa quanto a brisa que insistia em jogar uma mecha de meus cabelos sobre meus lábios, e eu a afastava suavemente, como quando alguém é revisitado por um pensamento e o esquece a seguir, sem perder o seu perfume. Pouco depois estávamos deitados na grama e ríamos. Pois as horas nos pertenciam, já que inexistiam no jardim dos prazeres. Era tão lúcido desejar, era soltar uma pipa ao vento e correr em círculos para acompanhar seu voo irrequieto e hipnótico. Essa luz que insistia em nos tocar, com seus dedos de calor, a nos envolver, nos fazia parar de vez em quando, irreversivelmente sugados para dentro do labirinto de beijos e peles, por um estar juntos no qual nos desfazíamos como o que havíamos sido antes de nos conhecermos.

Era assim, se encontrar, um florescer no outro, um queimar e arder e derreter, ser propulsado, expulsado de si, a estranha sensação de estar voltando ao mesmo tempo de estar partindo para sempre. Por isso caíamos no amor, porque já não havia a lei da gravidade, havia apenas uma saudade de estar ao avesso de tudo que conhecíamos até então. É isso viver? Perguntávamos, sem perguntar, porque não sabíamos mais pensar, mas investigávamos o desencontrar-se profundo que era simplesmente respirar acrescido do outro, sem nada entender. Havia a tristeza inegável da ausência que a presença mútua traz, essa intuição do fim que mora em todo começo. Ser feliz apesar daquela leveza insustentável não deixava de ser um ato de coragem, já que a felicidade sempre abraça o morrer que acompanha o nascer. Não sei por que, hoje, o equinócio de primavera trouxe de novo aqueles momentos, aquele passeio durante uma viagem em 2011. Talvez porque andei pensando no desabrochar. Pensei também nas células imaginativas que vencem o sistema imunológico da lagarta e a transformam em borboleta. Deve doer, mas o resultado é belo. Parece que não dá para escapar dessas quedas no amor que, um dia ou outro, acabam nos abrindo além de nós.

photo by Florencio Yllana (Parque del Retiro, 2011)

Uma resposta para “Essa e Outras Primaveras”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *